Plátipo a plátipo, ajudamos a salvar a floresta de montado de sobro

Em 2018, foram instaladas cerca de 2000 armadilhas equipadas com feromona de agregação para a captura do inseto-praga Platypus cylindrus em propriedades dos concelhos de Coruche e Mora.

As áreas intervencionadas têm aptidão marcadamente florestal, onde predominam os povoamentos de montado de sobro. Em todas foi detetada a presença do inseto-praga, com diferentes graus de intensidade de ataque.
 
A monitorização de armadilhas (recolha mensal dos insetos em armadilhas georreferenciadas, identificação e contagem dos indivíduos da espécie Platypus cylindrus) tem permitido concluir sobre a distribuição espacial do inseto nas propriedades em estudo: heterogénea e dispersa, com alguns focos de ataque.
 
Nos meses de maio, junho e julho foram de 2018 recolhidos cerca de 28 000 plátipos.

Durante o ano de 2017, foram contabilizados mais de 65 000 indivíduos em cerca de 350 armadilhas. Estas recolhas foram efetuadas em 4 das 8 propriedades atualmente monitorizadas. 

Os resultados preliminares apontam na diminuição das capturas entre os anos de 2017 e 2018, pelo que se estima que o controlo biológico com recurso ao binómio armadilha-feromona pode ter influência negativa sobre a população de plátipos, auxiliando na sua mitigação junto de povoamentos florestais afetados.

Fig. 1: sobreiro marcado para abate com sintomas de ataque por Plátipo (orifícios circulares e serrim)

Fig. 2: sobreiro com elevado índice de desfolha, resultado da ação de plátipos e de outros insetos-praga

Fig. 3: armadilha para Platypus cylindrus equipada com feromona de agregação específica Fig.4: perspetiva geral dos plátipos capturados nos meses de maio, junho e julho de 2018







Plátipo a plátipo, ajudamos a salvar a floresta de montado de sobro